quarta-feira, dezembro 27, 2006

Souflé de Queijo da Andréa [Amigo Secreto]


Finalmente posto aqui a receita da minha amiga secreta, que é a Andréa! Foi muito engraçado fazer esse souflé porque recebi o aviso que o gás do condomínio ia ser cortado para manutenção em certo horário, só que eu acabei demorando no preparo e quase não deu tempo! Mas valeu a pena, ficou muito bom e ele até cresceu bastante - os meus souflés nunca crescem muito - mas na foto ele já estava no processo de murchamento.
A única dúvida que tive em relação à receita foi na parte de engrossar o molho, se é pra ficar bem grosso ou não. Pela textura imagino que o meu ficou um pouco ralo. Como não havia indicação do tamanho da forma eu usei 8 ramequins.
Já os presentinhos recebi no sábado, mas estava fazendo suspense para postar com a receita pronta. Adorei os mini-fouets (provando que ganhamos em dobro - ou em triplo - o que a gente dá) e o separa-gema, são muito úteis e fofos, mais uma vez obrigada, Andréa! E obrigada à Tatiana, pela brilhante e saborosa idéia!






Ingredientes:
750 ml de leite
9 colheres (sopa) de queijo parmesão ralado
1 colher (sopa) de manteiga
3 colheres (sopa) de farinha de trigo
sal a gosto (coloquei 1 colher de chá)
3 gemas
3 claras em neve

Leve ao fogo a manteiga até derreter, junte a farinha e o sal e mexa. Ponha lentamente o leite, mexendo até engrossar (como um molho bechamel). Ponha o queijo e deixe derreter. Tire e deixe esfriar.
Aos poucos ponha as gemas batidas, depois as claras em neve. Asse em forno não muito quente (deixei o meu em 180°). Ficou pronto em mais de 45 minutos.

Fonte: Andréa, do 1001 coisas.

segunda-feira, dezembro 25, 2006

Quiche de Macaxeira


Essa receita é um clássico na família: sempre fazia quando havia festas de natal na casa da minha mãe, e como esse ano fui para a minha madrinha, resolvi levar pra lá e acho que gostaram. Além do jogo de palavras que dá nome ao blog, a receita existe.
Que pena que meu "fotógrafo" não tirou foto dos quitutes de tia Fátima e prima Isabel, que arrasaram com um rocambole de carne, um bacalhau e uma torta de chocolate com uvas que deixou todo mundo triste de alegria. Foi um ótimo natal!
Ingredientes:
1 kg de macaxeira
sal a gosto
3 colheres (sopa) de manteiga
1 xícara de creme de leite fresco
1/2 colher (chá) de noz moscada
100 g de bacon magro em cubos
1 cebola grande picada
3 gemas
3 claras

Cozinhe a macaxeira na água com sal e passe no espremedor de batatas, moedor ou processador, ainda quente*. Misture a manteiga, mexendo bem com uma colher de pau (eu misturei ainda no processador). Junte o creme de leite e a noz moscada. Reserve.
Frite o bacon até que doure, junte a cebola e frite mais um pouco. Junte à massa de macaxeira. Adicione as gemas e por último as claras em neve, mexendo cuidadosamente.
Unte com manteiga uma travessa retangular refratária e despeje a massa. Asse em forno moderado (170°) por aproximadamente 1 hora. Decore com bacon frito, tomate, pimentão (decorei esse com pimentão vermelho). Serve como entrada ou como acompanhamento de assados.

*Quando estou com pressa compro a macaxeira em pacotes de 500g já cozida e só faço esquentar no vapor.

Fonte: Recorte do caderno de receitas.

sexta-feira, dezembro 22, 2006

Bolo Mole de Queijo


Bolo mole era meu bolo preferido na infância, especialmente o Bolo Luís Felipe. Eu não gostava muito de bolo fofo, preferia esses bolinhos que mais parecem pudins. Lembro que a minha vó Lucíola fazia uns bem gostosos, que ela chamava perjorativamente de "manzapes". Eu pensava que era o nome do bolo e, quando eu passava na casa dela à tardinha, indo pra casa, eu sempre perguntava: "tem manzape, vó"?
Já fiz essa receita várias vezes e o engraçado é que nunca faço com o queijo parmesão que a receita pede, sempre com outro queijo, mas o importante é que fica bom. Melhor ainda depois de gelado.
Ingredientes:
4 ovos
2 colheres (sopa) de manteiga
3 xícaras de açúcar
1 xícara de farinha de trigo
200 ml de leite de coco
200 ml de leite
1 pitada de sal
1/2 colher (sopa) de fermento em pó
4 colheres (sopa) de queijo parmesão ralado (eu usei 6 colheres de queijo coalho)
1/2 colher (chá) de baunilha

Bata todos os ingredientes no liqüidificador. Coloque numa forma redonda de 24 cm de diâmetro, untada com manteiga e polvilhada com farinha de trigo. Leve ao forno médio (180°) e asse até que doure em cima e que, enfiando um palito este saia limpo, o que leva mais ou menos uns 40 minutos.

Fonte: Recorte do meu caderno de receitas.

quinta-feira, dezembro 21, 2006

Torta Salgada de Liquidificador

Infalível. Esse é um dos nomes da torta da Maria Helena e faz valer o nome. Eu confesso que não sou fã de tortas de liquidificador, mas são muito práticas e aqui e ali testo uma receita. Essa foi a primeira que fiquei fã e vou repetir. Na verdade, ela fica uma espécie de pão, gostei demais, o queijo na massa faz a diferença. Se eu não me engano a Eliana já fez uma torta bem parecida. Fiz outro recheio e substituí o creme de leite por requeijão. Veja aqui a receita original.
Ingredientes:
Massa:
3 ovos
1 xícara de óleo (menos um dedo)
2 xícaras de leite
1 xícara de queijo ralado
2 xícaras de farinha de trigo
1 pitada (reforçada) de sal
1 colher de sopa de fermento em pó

Recheio:
1 copo de requeijão (ou 1 lata de creme de leite sem soro), fatias de peito de peru, azeitonas e cebolinha cristal.

Bata todos os ingredientes da massa no liquidificador (com exceção do fermento, que deve ser adicionado depois - eu desobedeci e adicionei no liquidificador mesmo, depois de ter batido bem os outros ingredientes).
Ponha a metade da massa numa forma untada (usei de 20 cm) e depois de acrescentar o recheio de sua preferência coloque o requeijão ou o creme de leite sem soro por cima do recheio. Despeje o resto da massa por cima e leve ao forno até dourar por cima, o que leva de 20 a 30 minutos em forno alto.

quarta-feira, dezembro 20, 2006

domingo, dezembro 17, 2006

Bolo de Avelã com Passas


Tinha comprado umas avelãs há um tempo pra usar numa receita, mas acabei esquecendo até que receita era esta e hoje resolvi usá-las em um bolo. É a tal da doença "vontade de bater um bolinho" muito divulgada em ensaios dadivosianos. A receita original tem recheio e cobertura, mas queria apenas um bolo comum, bem café-da-manhã. Ele tem uma textura que lembra o Bolo Madeira, muito macio, com certeza por causa das avelãs, porém é mais sequinho. Não aparece a quantidade de passas na receita, então usei 50 g, mas depois vi que pode ser mais, se for o caso. Imagino que com uma cobertura de chocolate deve ficar bem gostoso, mas estou um pouco enjoada de chocolate depois do último bolo.
Ingredientes:
250 g de manteiga
300 g de açúcar
4 gemas de ovos
4 claras
2 ovos
100 g de avelãs moídas
360 g de farinha de trigo
1 colher (chá) de fermento em pó
50 g de passas

Misture a farinha com o fermento, as avelãs e as passas. Reserve.
Bata a manteiga com o açúcar até ficar um creme. Adicione os ovos, e em seguida as gemas, batendo bem entre cada adição.
Bata as claras em neve.
Vá adicionando a mistura de farinha ao creme de ovos, alternando com as claras em neve.
Despeje a massa numa forma redonda (24 cm), bem untada com manteiga e polvilhada com farinha.
Leve ao forno pré-aquecido (180ºC) por cerca de 40 minutos ou faça o teste do palito.

Fonte: Roteiro Gastronômico de Portugal

quinta-feira, dezembro 14, 2006

Feliz Aniversário!


Quando eu tinha 16 anos eu vi o Ricardo pela primeira vez, de longe, sem nem saber quem era, e jurei pra mim mesma que eu casaria com ele, um pouco de brincadeira, um pouco sério. O fato é que calhou dele acabar na minha turma de faculdade, ser praticamente meu vizinho, pegar o ônibus todos os dias comigo e ainda gostarmos do mesmo tipo de música. Demorou mais uns 3 anos para ficarmos amigos mais próximos e finalmente começarmos a namorar: desde então ele tem sido meu tudo e vice-versa. Ele faz meus sonhos todos se tornarem realidade e o amo mais do que ele imagina. Parabéns, minha vida.

Não tenho o menor talento para bolos de aniversário, mas como fiquei com muita vontade de fazer um, peguei uma receita DIVINA da Patricia Scarpin. O problema todo é rechear, cobrir, não tenho as manhas e não tive tempo de pesquisar. Eu ia fazer uma cobertura de cream cheese, mas não deu tempo e acabei usando o recheio como cobertura (Moça Fiesta Alpino) e cobrindo com nozes picadas. O problema é que hoje aqui tava muito quente, tudo derretendo, inclusive a cobertura. Na hora, tudo bem, pois ficou na geladeira, mas no final da festa (cujo pedaço da foto não me deixa mentir) tudo estava arriando. A Patricia talvez deverá me dizer que isso não servia como recheio, mas a verdade é que apesar de tudo o bolo ficou gostoso e só tenho a agradecê-la por essa massa incrível, que vai me obrigar a fazer outros bolos de aniversário. Patricia, apesar de ficar na geladeira e de não ter sido regado, o bolo ficou uma fofura, uma delícia.
BOLO BRANCO
Ingredientes:
240ml de leite, em temperatura ambiente
6 claras
1 colher (chá) de extrato ou essência de amêndoa (não usei)
1 colher (chá) de extrato ou essência de baunilha
315g de farinha de trigo
350g de açúcar
4 colheres (chá) de fermento em pó
1 colher (chá) de sal
170g de manteiga, amolecida

Pré-aqueça o forno a 190ºC.
Unte duas formas redondas de 22cm (usei de 24cm, ficou mais baixinho), forre o fundo com papel manteiga e unte o papel. Polvilhe tudo com farinha de trigo.
Misture levemente o leite, as claras (sem bater, mesmo) e as essências usando um garfo. Reserve.
Coloque a farinha, o açúcar, o fermento e o sal numa tigela de batedeira com o batedor em forma de pá (eu não tenho, então usei os comuns mesmo), junte a manteiga e bata até obter uma textura parecida com areia úmida.
Adicione a mistura de leite, reservando 120ml, e bata em velocidade média por 1 minuto e meio. Acrescente o restante da mistura de leite e bata em velocidade alta por 30 segundos - não bata demais.
Divida a massa entre as assadeiras e asse por 30-35 minutos (faça o teste do palito). Os bolos ficam bem amarelinhos por cima e mais branquinhos por dentro.
Deixe esfriar por 15 minutos nas formas e depois coloque em grelhas para esfriar completamente antes de confeitar.
Regue o bolo com um xarope feito de 1 parte de açúcar para 4 partes de água, aromatizado com essência (tem que ter cuidado na hora de molhar o bolo, senão ele fica mole demais).

Fonte: Technicolor Kitchen.

Trouxinhas com Patê de Ricota


Essas trouxinhas foram a sensação de hoje. A idéia de usar a massa de pastel como trouxinha eu vi uma vez no Mixirica, mas a mistura de gemas e leite para a massa eu costumo usar para fazer pastéis assados, pois geralmente essa massa só presta frita, mas garanto que com esse "mergulho" ela fica saborosa. A receita da base do patê eu achei no CyberCook, só mudei um pouco o jeito de fazer, achei que colocando o leite aos poucos ia ficar legal. Segue também a receita de patê de peito de peru, só como sugestão, mas fica muito bom.
Ingredientes:
Base:
450 g de ricota
1 xícara de leite fervente
2 colheres (sopa) de manteiga
1 colher (chá) de sal

Para a trouxinha:
1 cumbuca (500g) de massa de pastel pronta (redonda, da menorzinha)
50 g de queijo (usei o coalho)
1 colher (sopa) de sementes de papoula
2 gemas
1 colher (sopa) de leite

Para o patê:
150 g de peito de peru light defumado
1 pimentão vermelho sem semente e sem pele (usei em conserva)

No processador disponha a ricota, a manteiga e o sal. Ligue e vá jogando o leite devagar pelo tubo. Processe até ficar um creme homogêneo.
Essa base pode ser dividida e adicionada de outros ingredientes.
Com mais ou menos 1/4 dessa pasta eu fiz o recheio das trouxinhas: adicionei o queijo e processei mais um pouco. Fora do processador misturei as sementes e recheei - uma colherinha de café pra cada círculo de massa - fechando a massa e dando formato de trouxinha. Misture as gemas com o leite e mergulhe rapidamente as trouxinhas recheadas nesse líquido, distribuindo-as numa forma untada.
Leve ao forno por cerca de 30 minutos ou até dourar.
Para o patê, apenas processei o peito de peru e o pimentão com a base de ricota (os 3/4) que sobrou. Servi com torradas.

Inspiração e Fonte: Mixirica e CyberCook.

sábado, dezembro 09, 2006

Bolo de Fubá da Mãe da Miki


Faz tempo que queria fazer um bolo de fubá e essa receita me pareceu tão bonita (aliás confiram a foto do da Miki, ficou muito boa) e fácil, excelente realmente pra tomar com café. Tive uma tarde muito agradável com amigos muito queridos e todos gostaram.
Ingredientes:
100g de manteiga (a Miki usou margarina)
2 e 1/2 xícaras (chá) de açúcar
4 ovos
2 xícaras (chá) de farinha de trigo
2 xícaras (chá) de fubá
1 xícara (chá) de maisena (amido de milho)
1 colher (sopa) de fermento em pó
2 xícaras (chá) de leite
semente de erva-doce a gosto

Misture a farinha, o fubá, a maisena e o fermento em pó. Reserve.
Bata a margarina com o açúcar até formar um creme homogêneo (o meu não ficou exatamente cremoso, fiquei em dúvida se a quantidade de manteiga estava certa, mas como resultou bem, acho que é essa mesma). Acrescente os ovos (inteiros) um a um misturando bem.
Vá acrescentando aos poucos a mistura de farinha e o leite, de maneira alternada: um pouco da mistura, depois um pouco do leite, incorporando entre um e outro.
No final, salpique erva-doce e misture levemente (não usei pois não tinha em casa).
Leve para assar em uma fôrma grande, untada e enfarinhada. Forno moderado.

Fonte: Tudo sobre coisas cabeça-gorda.

Pão Rocambole Revisitado


Receita repetida é receita boa. Hoje alguns amigos vieram pra cá e fiz um lanchinho com pão, bolo e café. O bolo segue no próximo post e o pão eleito foi o Pão Rocambole Recheado, que dessa vez levou um recheio mais caprichado, com azeitonas, queijo de minas, pimentão vermelho, salsa e cebolinha cristal.
E mais tarde, outra receitinha revisitada, o maravilhoso Sorvete de Limão porque ainda tinha limão e ainda tinha creme de leite, então...

***Ah, alguns amigos meus perguntaram de onde eu tirava as fotos: pessoal, todas as fotos são tiradas pelo Ricardo, elas relatam a minha experiência real com a receita, não são tiradas de nenhum site, fico feliz que gostaram das fotos, mas quem tem blog culinário sabe que só tem graça se a foto for de quem fez a receita. Até porque são sempre os mesmos pratinhos, a mesma bancada de granito (risos)... Então sempre que a foto tiver esse selinho "quiche de macaxeira" saibam que é nossa, viu?

quinta-feira, dezembro 07, 2006

Biscoitos de Manteiga de Amendoim


Durante minhas andanças em busca do Maple Syrup em Fortaleza (descobri onde tinha através do Orkut, ora veja), encontrei e comprei a Peanut Butter Peter Pan, indiretamente indicada pela Cinara, já que o Ric simplesmente ama manteiga de amendoim (também conhecida como pasta de amendoim).
Eu não gosto muito, inclusive amendoim é a nut que menos gosto, mas até que gostei dos biscoitos, inclusive a escolha da receita foi pra ver se eu gostava dela em algum preparado. Imagino (a julgar pelo contentamento do Ric) que pra quem gosta de amendoim é um ótimo biscoito.
Mas vamos aos créditos: os ingredientes e a primeira metade do modo de fazer eu tirei daqui, pois achei mais bem detalhado, mas isso porque eu tinha lido a receita adaptada primeiramente aqui, o que me levou à segunda parte, que era menos complicada neste.
Ingredientes:
170 g (3/4 xícara) de manteiga sem sal, em temperatura ambiente
105 g (1/2 xícara) de açúcar mascavo
100 g (1/2 xícara) de açúcar
1 ovo grande
1 colher (chá) de extrato de baunilha (usei essência)
185 g (3/4 xícara) de manteiga de amendoim
280 g (2 xícaras) de farinha de trigo
1/2 colher (chá) de bicarbonato de sódio
1/4 colher (chá) de sal

Forre duas formas retangulares com papel manteiga. Reserve.
Com a batedeira ou um batedor manual, bata a manteiga com os açúcares até que fique leve e fofo (cerca de 2 a 3 minutos). Acrescente a manteiga de amendoim e bata mais. Adicione o ovo e a baunilha e bata para misturar. Numa outra tigela junte a farinha, o bicarbonato e o sal. Junte com a mistura de manteiga e bata até incorporar. Nesse último estágio assegure-se que sua batedeira vai suportar ou termine incorporando com uma colher de pau. Pré-aqueça o forno em 180°.

Com a ajuda de duas colheres ou com as mãos, distribua bolinhas da massa (do tamanho de uma colherada) sobre as assadeiras. Usando um garfo, marque os biscoitos formando uma grade, tendo o cuidado de mergulhar o garfo na água a cada biscoito (assegure-se de fazer marcas mais bonitas que as minhas). Asse por 15 minutos ou até que as bordas comecem a dourar. Deixe esfriar bem. Deu 40 biscoitinhos.

Fonte: BakingSheet e Joy of Baking.

terça-feira, dezembro 05, 2006

Sorvete de Limão [Nigella Lawson]


Com tanta coisa nos blogs os livros de receita acabam levando poeira. Dentre as receitas guardadas do Mixirica tinha esse adorável Sorvete de Limão da Nigella, que fiz ontem. Pela foto do dela parece que ela usou limão verde, mas pela receita original imagino que seja o siciliano mesmo. Ela comenta que o dela criou cristais de gelo, mas o meu ficou bem cremosinho, só hoje é que achei que ele já estava mais cristalizado, mas quase não dá pra perceber.
Ingredientes:
3 limões sicilianos suculentos
175 g de açúcar de confeiteiro
420 ml de creme de leite fresco
3 colheres de sopa de água gelada

Raspe a casca de dois dos limões. Esprema o suco dos três limões e junte-o com as raspas e o açúcar, numa tigela. Misture bem e deixe descansar, se possível, por 30 minutos para o sabor apurar.
Bata o creme com a água até formar picos moles. Adicione a mistura de limão e bata mais um pouco. Despeje num recipiente raso, cubra e leve para o freezer por 3 a 6 horas, até que fique firme.
Deixe que fique na geladeira uma hora e meia antes de servir (deixei só uma hora e funcionou mas depois achei essa etapa desnecessária, acho que dá pra servir saindo direto do freezer: agora mesmo fiz o teste, ele fica cremoso e dá pra servir sem problemas).

Fonte: Mixirica e Nigella.

segunda-feira, dezembro 04, 2006

Pizza | Pissaladière


Uma vez fiz essa receita completa de Pissaladière da Fernanda e gostei muito. Ela sugere que a massa poderia ser usada para pizza e resolvi tentar hoje com essa intenção. O recheio eu segui à moda da Akemi, que casou com o que eu tinha em casa e deu certo: Gil e Lílian vieram aqui em casa e gostaram muito. O Gil inclusive quer abolir suas receitas de pizza e passar a usar essa massa agora. Depois é que notei que não coloquei nenhuma erva por cima, é sempre bom.
Ingredientes:
Massa:
2 xícaras de farinha de trigo
1 colher (chá) de fermento biológico seco
1 colher (chá) de sal
1 colher (sopa) de azeite
1 xícara de água morna.

Recheio:
molho de tomate; mussarela; bacon em cubos fritos; milho verde; azeitonas.

No processador, com a lâmina de plástico, coloque a farinha, o sal e o fermento e pulse por 5 segundos para misturar. Ligue na velocidade normal e pelo tubo adicione devagar o azeite e a água, até formar uma massa* compacta - uns 15 segundos. Retire a massa do processador e amasse de leve numa superfície enfarinhada. Forme uma bola e coloque numa vasilha pequena untada com azeite. Cubra com plástico bem apertado e deixe crescer por 1 hora e meia.
Abra a massa (eu dividi em duas partes e deu 2 pizzas). Segure a massa pela ponta e vá puxando, ela vai esticando e tomando forma. Pode pôr em cima de uma folha de papel manteiga e ir puxando (eu usei as mãos e um rolo). Coloque numa forma. O forno deve estar pré-aquecido em 260ºC. Cubra a massa com o recheio. Asse por 15 minutos. Sirva imediatamente.

*No post da Fernanda tem "passa", que pode ser pasta ou massa, pois a massa é um tanto grudenta.

Fonte: Chucrute com Salsicha e Pecado da Gula.

domingo, dezembro 03, 2006

Pão com Limão Galego e Sementes de Papoula


Mesmo correndo o risco de meu blog se tornar um clone bizarro do blog da Valentina, aí vai mais uma receita dela. Esse pão estava na lista de espera, mas com tanto limão na geladeira e ontem tendo achado sementes de papoula, logo me lembrei dele. Nem preciso dizer que esse loaf é delicioso, fofinho, de um cheiro de matar e muito belo, pelo colorido do limão e das sementes de papoula. Quem quiser conferir o original, clique aqui.
Ingredientes:
2 limões galegos
3 ovos
170g de açúcar
180g de farinha de trigo peneirada
150g de manteiga sem sal derretida
3 colheres (chá) de fermento em pó
Pitada de bicarbonato de sódio
1 colher (sopa) de sementes de papoula

Primeiro pre-aqueça o forno em temperatura de 180°. Unte e polvilhe uma forma de pão (16 cm x 9 cm x 8.5cm).
Raspe a casca de 1 dos limões e esprema o sumo dos dois. Numa tigela coloque os ovos e o açúcar e bata bem até que a mistura engrosse e comece a espumar. Aos poucos vá acrescentando a farinha de trigo peneirada e a manteiga derretida. Nesta etapa utilize uma colher de pau para misturá-las. Não bata.
Com uma espátula, incorpore à massa o fermento em pó, o bicarbonato, a raspa de limão, o sumo de limão e as sementes de papoula. Misture só o suficiente para que tudo se incorpore.
Coloque tudo na forma e leve ao forno por aproximadamente 40 minutos. Faça o teste do palito. Dependendo do forno talvez necessite de 50 minutos para assar. O meu assou em exatos 40 minutos.

Fonte: Trem Bom.

Pãozinho Simples


Pãozinho simples. Ele é salgado, mas o açúcar é bem pronunciado. Bom com manteiga, nata, requeijão...
Ingredientes:
2 tabletes de fermento biológico (30g)
1 xícara de leite morno
1/3 de xícara de açúcar
3 e 1/2 xícaras de farinha de trigo
1/4 de xícara de manteiga
2 colheres (chá) de sal

No liquidificador, coloque o fermento, o leite, o açúcar, meia xícara da farinha e a manteiga. Bata até a mistura ficar homogênea. Transfira para uma tigela.
Acrescente a farinha restante e o sal. Misture. Amasse bem até obter uma massa lisa (acrescentei mais um pouquinho de farinha pois a massa é grudenta). Faça bolinhas de 3 cm de diâmetro e coloque-as numa assadeira não untada (dá 20 bolinhas).
Cubra com um pano e deixe crescer por uma hora ou até dobrar de volume em lugar aquecido. Aqueça o forno em temperatura alta.
Faça cortes em cruz (com uma tesoura) sobre cada pãozinho. Asse por 35 minutos ou até a parte inferior ficar dourada, o que pra mim levou apenas 20 minutos. Sirva morno ou em temperatura ambiente.

Fonte: "Só Pães" - Claudia Cozinha (sim, acho que vou acabar fazendo todos os pães desse livrinho). ;)

quinta-feira, novembro 30, 2006

Torta de Pêssego [Jamie Oliver]


Na dúvida se fazia essa torta ou um crumble, optei por essa pela curiosidade de como ficaria. Pelo que eu lembrava de ver o preparo, imaginava que seria algo como um pudim ou algo assim, mas é uma torta parecida com bolo, macia com casquinha um pouco crocante, bem legal, que pena que a aparência talvez não faça jus ao sabor. É uma torta com açúcar sutil, para quem não aprecia coisas muito doces (mas quem aprecia também irá gostar). Recomendo imensamente essa massa, e recomendo fazer numa forma média, fiz numa grande e ficou muito baixinha. E recomendo a mim mesma da próxima vez comê-la com uma bola de sorvete de creme.
Ingredientes:
135 g de açúcar
135 g de farinha de trigo
2 ovos
250 g de manteiga sem sal
4 pêssegos frescos (ou outra fruta de sua preferência)

Comecei com as frutas. Cortei os pêssegos em fatias médias. Acredito que pode ser usada quase qualquer fruta crua, eu escolhi cozinhar os pêssegos para fazer como o Oliver fez. Ele cozinhou com fava de baunilha mas como isso é impossível pra mim, eu acrescentei um pouquinho de essência só pelo aroma. Deixei apenas ferver e escorri.
Para a massa, junte a manteiga com o açúcar, bata bem, depois acrescente os ovos e continue a bater. Acrescente a farinha de trigo e incorpore-a. A massa é pastosa, como se fosse um chantilly. Unte uma fôrma refratária com manteiga e polvilhe-a com açúcar. Distribua as frutas e por cima coloque, em colheradas, porções da massa. Não se preocupe em cobrir as frutas, pois à medida que assa, a massa vai entrando nas frutas e vice-versa. Leve ao forno para assar. Fiz o teste do palito e deixei dourar um pouquinho, levou uns 25 minutos.

Fonte: Copiado às pressas durante um programa do Jamie Oliver, há uns 2 anos atrás.

quarta-feira, novembro 29, 2006

Macarrão com Molho Rosado de Nata + Batatas Assadas com Alecrim


Tomada por um resfriado terrível hoje eu precisava de um jantar bem calórico e salgado. Comecei cozinhando umas batatas sem saber o que ia fazer com elas, depois me inspirei nas Batatas Coradas com Alecrim e Parmesão da Faby e resolvi assá-las, apesar de não ter feito como ela fez. Não bastava, tinha que ter mais e resolvi fazer um pouco de macarrão com um molhinho básico e ficou tudo certo, até diminuiu meus espirros. Eu não sei porque nunca tinha pensado em fazer molho com nata, ficou ótimo.
Como foi tudo meio improvisado e básico, aqui vai o registro (para 2 porções): cozinhei 4 batatas até ficarem um pouquinho macias, mas ainda firmes. Cortei em rodelas e distribuí numa assadeira com óleo de girassol. Por cima sal, pimenta e alecrim, mais um pouquinho de óleo e coloquei em forno alto.
O macarrão medi um prato de massa seca e cozinhei na água com óleo e colorau. Pro molho (que foi o melhor dessa festa) foi 1 colher (sopa) bem cheia de nata, 1/2 xícara de leite, 1 colher (sopa) de catchup e 1/2 colher (chá) de sal misturados numa panela até ficar homogêneo e ferver um pouquinho. Acrescentei pedaços de queijo e azeitonas picadas e depois mergulhei o macarrão no molho.

terça-feira, novembro 28, 2006

Pudim de Coco


Como hoje não tive muito tempo, resolvi fazer um bolinho simples de liquidificador e encontrei uma receita de Bolo Cremoso de Coco, que eu rebatizei de Pudim de Coco por achar mais adequado ao tamanho e à textura. Como eu esperava um bolo mesmo, fiquei meio decepcionada, afinal ele não cresce muito, mas o sabor compensou e é bem molhadinho. O pedaço da foto era o último pois minha mãe passou aqui com minha irmã e minha tia Marilza (que por sinal faz doces maravilhosos a acabei esquecendo de pedir alguma receita) e elas adoraram.
Ingredientes:
1 lata de leite condensado
1 medida (da lata) de leite
4 ovos
1 colher (sopa) de margarina (usei manteiga)
1 colher (sopa) de fubá ou milharina (usei fubá)
3 colheres (sopa) de farinha de trigo
1 colher (sopa) de fermento em pó
200 ml de leite de coco
100 g de coco ralado (eu usei menos)

No liquidificador bata todos os ingredientes (menos o coco ralado) até obter uma massa homogênea.
Misture delicadamente metade do coco ralado (eu usei umas 70 g logo e deixei menos para polvilhar no final). Transfira para uma forma de buraco no meio, previamente untada e enfarinhada. Leve para assar em forno preaquecido até que, enfiando um palito, ele saia limpo. Ele demora um pouco, mais de 40 minutos. Aguarde esfriar, desenforme e polvilhe com o coco ralado restante (das 30 g que sobrou usei umas 15) antes de servir.

Fonte: Receitas de Liquidificador - Especial "Receitas & Sabores".

domingo, novembro 26, 2006

Baião-de-dois


Ultimamente aqui em Fortaleza as casas especializadas em baião-de-dois fazem o que se pode chamar de baião "branco", com feijão verde. Mas o baião que eu gosto é desse tipo que o arroz toma um pouco a cor do feijão (de corda ou preto) e essa receita agradou todo mundo que veio almoçar aqui hoje. Ele fica pastoso (eu cheguei a pensar que tinha colocado muita água, mas quando vi a foto do livrinho de onde tirei vi que estava igual ao meu). Vou colocar como fiz, no original havia toucinho, que eu substituí pelo bacon, no lugar do óleo era azeite de oliva, e por minha conta acrescentei nata, que é essencial num baião, pra mim. Nada light, realmente, mas de ficar triste de felicidade e como o estrago estava feito (porque não precisava, por ser prato único), ainda foi acompanhado por macaxeira frita. Bom demais.
Ingredientes:
1 kg de carne-seca cortada aos pedaços
2 e 1/2 xícaras de feijão de corda
100 g de bacon em cubos
5 litros de água
4 dentes de alho
1 cebola grande
4 colheres (sopa) de óleo de girassol
1 e 1/4 xícara de arroz
1/4 xícara de coentro picado
1/4 xícara de cebolinha verde picada
200 g de queijo coalho cortado em forma de bastão
4 colheres (sopa) de nata salgada

Dois dias antes coloque a carne-seca numa tigela grande, cubra com água e deixe na geladeira coberta, trocando a água a cada 4 horas (não vou mentir: troquei umas 3, 4 vezes por dia e só). Na véspera, coloque o feijão numa tigela média, cubra com água e deixe de molho até a hora de preparar a receita (esse molho é bom que não passe de 12 horas, pro feijão não fermentar).
Escorra a água do feijão e da carne-seca e transfira-os para uma panela grande. Acrescente o bacon, 4 litros de água e leve ao fogo alto. Como a minha panela era grande, mas não tão grande, coloquei 2 litros de água e fui deixando sempre um litro para ferver em outra panela, pra ir acrescentando. Não quis fazer em panela de pressão pois era muito feijão e tenho a impressão que fica melhor assim. Não reparei muito no tempo, mas se não me engano em 2 horas de cozimento o feijão e a carne já estavam bem macios. Aqui é a hora de ver se está bom de sal, no meu caso precisou, apesar da carne salgada.
À parte, pique o alho e a cebola e refogue-os no óleo, em fogo médio, até dourar. Junte o feijão (ou junte ao feijão, se for continuar na mesma panela) e misture. Adicione o arroz, a água restante, o coentro, a cebolinha e cozinhe até o arroz ficar macio. Se quiser pode ir acrescentando a água aos poucos, se não quiser que fique muito pastoso.
Ainda tinha um pouco de água quando acrescentei a nata, misturei um pouco e depois o queijo. Deixe secar mais um pouco, mas ainda fica um pouco molhado, que seca à medida que vai esfriando.

Fonte: Cozinha Brasileira - Nordeste (Claudia Cozinha Especial), que se baseou numa receita de um livro de Raquel de Queiroz.

Bolo Madeira [Technicolor Kitchen]


Curiosa em relação à textura das amêndoas em bolo, sempre comentada pela Patricia Scarpin e pela Valentina, não resisti e fiz o Bolo Madeira postado pela Patricia. Tudo que consigo pensar é "quanto tempo perdi" porque o negócio é bom demais. Realmente o bolo fica bem úmido, macio, delicioso. O bolo é pequeno, então se for pra muita gente, é melhor fazer dois, porque todo mundo repete e revira os olhos.

Ingredientes:
170g de manteiga sem sal, amolecida
170g de açúcar
1 colher (sopa) de raspas de casca de limão*
3 ovos
2 colheres (sopa) de suco de limão*
100g de farinha de trigo
1 colher rasa (chá) de fermento em pó
75g de amêndoas finamente moídas

Pré-aqueça o forno a 170ºC. Unte uma forma de bolo inglês (10x20cm) e forre o fundo com papel manteiga. Unte o papel e polvilhe farinha de trigo.
Usando a batedeira, bata a manteiga, o açúcar e as raspas de limão até obter um creme leve. Acrescente gradualmente os ovos e o suco de limão e bata bem. Peneire a farinha e o fermento por cima da mistura da tigela e incorpore. Misture as amêndoas moídas.
Coloque a massa na forma e asse por 45 minutos (o meu assou em 35 minutos - faça o teste do palito).
Deixe na forma por 5 minutos e desenforme numa grelha ou em um prato.

*A Patricia usou limão siciliano e eu usei limão verde.

Fonte: Technicolor Kitchen.

sexta-feira, novembro 24, 2006

Munguzá Doce Light


Quando criança, eu só conhecia munguzá salgado (com feijão, pedaços de porco e lingüiça), que inclusive é um dos meus pratos preferidos. Conto nos dedos quantas vezes comi, não é algo que se ache fácil por aí, e eu mesma devo ter feito apenas umas duas vezes, em versões light, porque o negócio leva pedaços de porco que eu não teria coragem de manipular.
Acho que pela textura do milho de canjica acabei me acostumando com o doce também. Resisti à tentação de colocar leite condensado e tirar o light da receita, com medo de ficar sem graça, mas não precisou. Ficou ótimo assim mesmo.

Ingredientes:
1 xícara de milho para canjica
2 litros de água
1 xícara de leite desnatado
1 xícara de leite em pó desnatado
1/3 de xícara de coco ralado seco (27 g)
1 pitada de sal
3 colheres (sopa) de açúcar
1 colher (chá) de canela em pó

Lave o milho e deixe de molho em água fria por duas horas. Transfira o molho e a água para uma panela de pressão e cozinhe em fogo médio por uma hora. Tire do fogo e deixe sair a pressão. Escorra o líquido.
Em uma panela, misture o leite desnatado, o leite em pó, o coco ralado, o sal, o açúcar e o milho. Leve ao fogo médio, mexendo às vezes, até ferver e se reduzir ligeiramente. Retire do fogo e polvilhe com a canela para servir.

Fonte: Especial "Baixas Calorias" da Claudia Cozinha.

Magneto das Rainhas do Lar


Chegou meu magneto Rainhas do Lar. Tão bonitinho, é o primeiro porque minha geladeira não tinha nenhum, apesar dos sete meses de lar. Fico muito feliz que as meninas tenham dado essa atenção aos leitores, em especial a Kátia, que mandou num envelopinho fofo, bem no dia que dei uma limpada geral na geladeira: agora ela tá banhada e com enfeite. :)

terça-feira, novembro 21, 2006

Quiche de Cebola e Aspargos

É difícil eu acertar massas de quiche, embora não sejam difíceis de fazer. Mas essa massa é tão fácil que até quem nunca fez uma torta na vida pode conseguir. Como achei anotada num papelzinho, não sei de onde tirei. Só sei que amei, adoro coisas práticas e sem erro.

Ingredientes:
Massa:
250 g de farinha de trigo
125 g de manteiga
1 ovo
2 colheres (sopa) de água
sal a gosto

Recheio:
100 g de aspargos em conserva picados
2 cebolas grandes fatiadas
2 colheres (sopa) azeite de oliva
1 lata de creme de leite sem o soro
2 ovos
50 g de parmesão ralado
sal a gosto

Para a massa é só juntar todos os ingredientes numa vasilha e ir misturando com as mãos, até ficar homogênea. Ela fica bem lisa. Leve à geladeira por 1 hora. Enquanto isso refogue a cebola no azeite até ela murchar. Desligue o fogo e acrescente o aspargo. Ponha um pouco de sal. Reserve. Bata os ovos ligeiramente e depois acrescente o creme sem o soro (pra quem não sabe é só fazer um furinho no fundo da lata que, ao abrir em cima, o soro cai). Bata mais um pouco e acrescente o parmesão, sempre batendo pra incorporar.
Passada a hora da massa, abra-a na própria forma (eu usei uma de 20 cm, pode ser de 22 também) com os dedos, do centro para as laterais. Ela é bem fácil de trabalhar. Despeje a cebola com os aspargos e por cima o creme com ovos e parmesão. Leve ao fogo médio por 30 minutos ou até dourar.

segunda-feira, novembro 20, 2006

Biscoitinhos de Castanha-do-Pará

Como duas crianças aprontando na cozinha, eu e meu amigo Gil passamos a tarde de domingo fazendo biscoitos. Eu usei uma receita da Valentina e ele procurou outra pela internet. Esses biscoitinhos são bem diferentes, realmente, como ela diz, desmancham na boca, mas achei que estava pouco doce e polvilhei com um pouco de açúcar. Já hoje achei o sabor bem mais apurado e nem senti falta do doce. Um pecado de bom. Fiz só meia receita e deu 42 biscotinhos.

Ingredientes:
150g de castanha-do-pará moida
150g de manteiga em temperatura ambiente
100g de farinha de trigo
100g de amido de milho
50g de açúcar

Ponha os ingredientes numa vasilha, misture um pouco com uma colher de pau e depois com as mãos até que fique uma bola mais uniforme. Polvilhe uma bancada com um pouco de farinha, ponha a mistura aí e ainda mexa um pouco.
Faça bolinhas bem pequenas e leve ao forno até que doure (os meus levaram uns 40 minutos, mais ou menos).

Fonte: Trem Bom.


Cookies de Chocolate do Gil

Apesar da aparência de biscoito integral, os cookies do Gil ficaram bem saborosos, a receita está aqui.

domingo, novembro 19, 2006

Fritada com Batata

Todo mundo tem seu jeito de fazer fritada, uns com batata ralada, outros com folhas, outros com ervas. O meu jeito é bem simples e pra mim é uma delícia. Geralmente se faz fritada quando falta tempo ou ingredientes, mas acho tão bom que vale a pena fazer a qualquer hora. A idéia é de 1 ovo e 1 batata média para cada porção e o resto é o que tiver na geladeira.

Ingredientes (para duas porções):
2 ovos
2 batatas médias (ou sobras de purê)
1 tomate
1 gomo de pimentão
8 azeitonas
sal, pimenta e orégano a gosto
manteiga para fritar

Descasque as batatas e corte-as em cubos médios. Leve para cozinhar no vapor (eu uso uma cuscuzeira). Enquanto cozinha, bata os ovos ligeiramente com um batedor e acrescente o tomate e o pimentão picados grosseiramente. Tempere com sal, pimenta e orégano e junte as azeitonas picadas. Quando as batatas estiverem macias, amasse-as com um garfo e junte à mistura de ovos. Misture tudo, formando uma "massa". Numa pequena frigideira coloque um pouco de manteiga pra derreter e despeje metade da mistura, espalhando-a pelo fundo da frigideira. Deixe fritar bem dos dois lados, com cuidado na hora de virar. Repita com a outra metade.

sábado, novembro 18, 2006

Pão de Cereja e Castanha

Queria alguma receita pra usar as cerejas verdes que eu tinha comprado e achei esse pão no blog da Valentina, o Trem Bom. Como não tinha amêndoas em casa, resolvi fazer com castanha de caju, o que deve ter modificado bastante o sabor original, pelo que vi nas fotos dela e pela descrição da textura. Pela receita dela fiquei em dúvida se ela usou essência de amêndoas ou de baunilha, já que ela cita as duas, de qualquer forma foi de baunilha mesmo. Fiquei torcendo pra não crescer muito pois a minha forma era um pouco menor que a dela. Cresceu mas não transbordou.
A textura é muito boa, textura de bolo, é bem macio, muito gostoso, adorei. Imagine se eu tivesse feito com mais fidelidade.
Vou colocar aqui como fiz, alterando o texto dela, quem quiser ver a receita original clique aqui.

Ingredientes:
200g de cerejas em calda
250g de farinha de trigo
2 colheres (chá) de fermento em pó
225g de manteiga em temperatura ambiente
175g de açúcar
3 ovos grandes ou 4 pequenos
1/2 colher chá de essência de baunilha
100g de castanhas de caju moídas (que nem farinha)
6 colheres de sopa de leite

Preaqueça o forno em temperatura de 170°. Corte as cerejas na metade e depois as coloque numa peneira e ponha embaixo da torneira com água corrente para tirar o excesso de açúcar. Dê uma sacudida para tirar o excesso de água, seque com papel toalha e passe na farinha de trigo para revesti-las. Dê uma sacudida para retirar o excesso de farinha. Reserve.
Bata a manteiga e o açúcar por aproximadamente 4 minutos – até que fique bem cremoso e de cor bem clara. Vá acrescentando os ovos (coloquei um de cada vez, sem batê-los antes) e a essência de baunilha gradualmente, permitindo que a quantidade adicionada seja incorporada antes que você acrescente mais. Acrescente a farinha de trigo e as amêndoas e misture usando uma colher de metal. Depois coloque as cerejas usando a mesma técnica. Por último coloque o leite. Unte e forre com papel manteiga uma forma de 23 x 13 x 7 e uma vez que a mistura fique pronta transfira para ela. Asse por aproximadamente 45 min – 1 hora, ou até que passe o teste do palito.
Note que é importante usar o tamanho de forma sugerida (ou algo bem próximo) para que o tempo no forno seja o tempo indicado. Caso contrário você tem que ficar de olho para a alteração, e se perceber que o seu pão está dourado por fora mas ainda bem molhado por dentro sugiro que você cubra a forma com papel alumínio. Assim você protege o topo enquanto o interior acaba de assar.
Retire do forno e deixe esfriar na forma sobre uma grelha.

Fonte: Trem Bom.

sexta-feira, novembro 17, 2006

Pretzel

Tirando o fato de que perdi uma fornada, até que foi bem. Não fiquei totalmente satisfeita com a receita porque esperava mais uma textura de rosca e essa massa é mais pra "pão" mesmo - talvez seja pelo costume de comer nas lojas de pretzel. Contudo é bem fácil de fazer, tive dificuldade nos primeiros rolinhos, mas depois o espírito de massinha de modelar baixou em mim.
Eu prefiro pretzel salgado, com parmesão por cima, mas como a metade da receita queimou e já tinha açúcar e canela misturado ficou assim mesmo. A formiga que eu crio aqui em casa devorou em segundos.

Ingredientes:
1 envelope de fermento biológico seco
1 xícara de água morna
2 colheres (sopa) de manteiga em temperatura ambiente
1 colher (sopa) de açúcar
1/2 colher (chá) de sal
2 e 1/3 xícara de farinha de trigo
manteiga para pincelar (1/4 de xícara)
1/2 xícara de açúcar e 2 colheres (sopa) de canela para polvilhar

Dissolva o fermento na água morna e depois vá adicionando a manteiga, o açúcar, o sal e a farinha e misture até ficar homogênea. Cubra e deixe descansar por 15 minutos. Numa superfície com farinha, divida a massa em 12 partes. Faça rolos de 45 cm de comprimento e modele-os em formato de pretzel. Ponha em uma assadeira untada e deixe descansar por 30 minutos.
Asse no forno preaquecido em temperatura alta até dourar (a receita indica 25 minutos, mas vai por mim, fique olhando de 5 em 5 minutos). Pincele com a manteiga e polvilhe com o açúcar misturado à canela.

Fonte: Especial "Só Pães" da Claudia Cozinha.

quarta-feira, novembro 15, 2006

Pudim Expresso

Essa é uma maneira rápida de fazer pudim. E sem banho-maria. O bom é que a receita é bem maleável, você pode acrescentar algo a mais na massa, como passas ou gotas de chocolate e/ou escolher a cobertura, que é o que vai dar o tom. Eu já fiz com passas na massa e cobertura com chantilly, mas essa cobertura com chocolate venceu com folga. O ideal é que seja feito em 8 forminhas baixas, pra ser mais rápido. Eu fiz em 4 ramequins e demorou mais um pouco, uns 45 minutos.

Ingredientes:
Massa:
1 lata de leite condensado
1 e 1/2 xícara de água
1/2 xícara de biscoito Maria picado
3 ovos
1 colher (sopa) de manteiga sem sal
1 colher (chá) de essência de baunilha

Cobertura*:
80 g de chocolate meio-amargo derretido em banho-maria
Nozes

Bata todos os ingredientes da massa no liquidificador e despeje em forminhas refratárias untadas com manteiga e polvilhadas com farinha de trigo. Pode ser feito em 4, 6 ou 8 forminhas. Leve ao forno por 35 minutos (quanto maior a quantidade de formas, mais rápido assa). Despeje a cobertura de chocolate e ponha uma noz em cada pudim. Cubra com filme plástico e leve à geladeira por 2 horas. Pra ficar mais expresso, coloque por um tempo no freezer.
*A cobertura da receita original era chantilly com coco ralado.

Fonte: Receitas & Delícias n° 32.

terça-feira, novembro 14, 2006

Panquecas Americanas

Depois de assistirmos a um certo episódio de Seinfeld dia desse, o Ric não parou de pedir pra que eu procurasse por uma receita de panquecas tipicamente americanas. Ontem à noite, "escaneando" o blog da Patricia Scarpin, o Technicolor Kitchen, encontrei a receita perfeita e hoje de manhã a felicidade dele foi tão grande que ele mal bateu uma foto das benditas e já foi devorando. A textura dela é uma coisa, parece uma esponja, no bom sentido, ela suga o que você colocar por cima. Na hora de assá-la basta realmente só a frigideira, porque ela não gruda mesmo. Comemos com geléia de abacaxi. Vou repetir a receita aqui exatamente como está lá, mas sugiro uma visita ao original para maiores informações.

Ingredientes:
1 1/3 xícaras (chá) de farinha de trigo
1 colher (chá) de fermento em pó
1/2 colher (chá) de bicarbonato
1/4 colher (chá) de sal
2 colheres (sopa) de açúcar
2 gemas
2 claras em neve
1 xícara (chá) de leite
1 colher (sopa) de manteiga, derretida
1 colher (chá) de essência de baunilha

Peneire a farinha, o fermento, o bicarbonato, o sal e o açúcar em uma tigela grande. Junte as gemas, o leite, a manteiga e a baunilha em uma tigela pequena e despeje sobre os ingredientes secos.
Adicione as claras em neve delicadamente, mas certifique-se de que fiquem bem misturadas. Coloque colheradas da massa numa frigideira anti-aderente (em fogo baixo). A panqueca não deve ser muito fina, e sim "gordinha". Vire quando estiver dourada de um lado. Doure o outro lado também.
Sirva com manteiga, geléia, mel, etc. Rende 8 panquecas médias.

Fonte: Technicolor Kitchen.

segunda-feira, novembro 13, 2006

Pãozinho com Recheio Cremoso

Digamos que é uma boa receita, mas nem tanto assim. Quer dizer, se ela não tivesse tantos tempos de espera, tudo bem. Esse pão precisava ser bem mais gostoso pra esperar tanto, é muito parecido com coisa de padaria, eu prefiro pães com um gostinho caseiro. Mesmo assim comi um bocado.

Ingredientes:
Pão:
1/2 xícara de leite morno
2 colheres (sopa) de açúcar cristal
1 tablete (15 g) de fermento biológico
2 ovos batidos
2 colheres (sopa) de manteiga derretida
2 colheres (chá) de sal
3 xícaras de farinha de trigo*

Recheio:
1 colher (sopa) de manteiga
1/4 xícara de farinha de trigo
1 e 1/2 xícara de leite
1 xícara de queijo mussarela ralado
1 xícara de cenoura ralada*

Para o pão, junte o leite, o açúcar e o fermento esmigalhado, sem misturar. Deixe descansar, coberto, por meia hora. Mexa até a mistura ficar homogênea. Junte os ovos, a manteiga e o sal. Misture. Aos poucos, adicione a farinha, amassando ligeiramente com as mãos. Cubra com um pano e deixe descansar por uma hora.
Passada a hora, aqueça o forno em temperatura alta. Faça 20 bolinhas e coloque em assadeira untada. Deixe crescer por 30 minutos. Coloque um pouquinho de queijo sobre cada bolinha. Asse por seis minutos (eu deixei uns 8 ou 10 minutos), sem deixar dourar. Retire do forno e deixe esfriar.
O recheio é apenas um molho branco: leve ao fogo médio a manteiga e a farinha de trigo, sempre mexendo, até começar a dourar. Retire do fogo e junte aos poucos o leite. Volte para o fogo e deixe cozinhar, sempre mexendo, até engrossar. Adicione o queijo, deixe derreter um pouco e acrescente a cenoura. Retire do fogo e recheie os pães.

*A receita original não leva cenoura (eu coloquei pra ficar um pouquinho mais saudável) e a quantidade de farinha são 4 xícaras, só que na terceira eu já estava achando a massa muito seca.

Fonte: Especial "Só Pães" da Claudia Cozinha.

domingo, novembro 12, 2006

Bolo de Mel-de-Engenho

Ganhei um vidro de mel-de-engenho (melado de cana) e comecei a pesquisar o que eu poderia fazer com ele. Descobri que não há muitas receitas envolvendo os produtos da cana-de-açúcar. Além disso, tenho a impressão de que o mel-de-engenho é mais usado em Pernambuco do que aqui: lá eles fazem o chamado bolo festivo, o bolo de rapadura e o delicioso queijo coalho assado com mel-de-engenho por cima. Aqui o pessoal se limita a comê-lo com farinha, hábito que não fez parte da minha infância, mas da dos meus pais, com certeza, principalmente do meu pai, que nasceu em um engenho.
Devo dizer que é um bolo que o cheiro é de ganhar do gosto, apesar de ser saboroso. Se eu tivesse vizinhos eu tenho certeza que algum bateria na minha porta.

Ingredientes:
125 g de manteiga
125 g de açúcar
450 ml (2 e 1/4 xícaras) de mel-de-engenho
125 ml (1/2 xícara e 5 colheres de chá) de leite cortado com o suco de 1 limão
1/2 colher (sopa) de bicarbonato de sódio
2 colheres (sopa) de água morna
1/2 colher (sopa) de fermento em pó
1/2 colher (sopa) de uma mistura de cravo, canela e erva-doce em pó(*)
500 g de farinha de trigo

Bata a manteiga com o açúcar, sempre à mão, com um batedor. Adicione o mel-de-engenho e bata. Vá adicionando nessa ordem: o leite, o bicarbonato dissolvido na água morna, o fermento, a mistura de cravo e por último a farinha de trigo, que eu fui acrescentando aos poucos.
Leve ao forno numa forma retangular média (eu usei uma de 21 x 27 cm) untada com manteiga e polvilhada com farinha de trigo. O meu ficou pronto em 1 hora e 5 minutos.
Corte em quadradinhos. Dá 16 pedaços.

*Essa mistura no original envolve também gengibre, que eu não tinha em casa. O cravo eu só tinha em flor, então pisei alguns dentro de um saco plástico e penerei junto com um saquinho de chá de erva-doce. Completei a medida com canela.

Fonte: Tirei essa receita daqui.

sexta-feira, novembro 10, 2006

Pão Rocambole Recheado

Faltava um pouco de fé que fosse ficar bom, mas não é que ficou delicioso? A massa desse pão me lembrou os pães de cidades do interior, em que ainda se faz (ou pelo menos se fazia) pães com ingredientes de verdade. O recheio da receita original não tinha salsa, mas 3 xícaras de folhas (sobras quaisquer de alface, espinafre etc.). Gostei de ter feito só com cebola e salsa, só me arrependo de não ter colocado mais queijo e azeitona, pois a massa não leva sal. Qualquer dia desse vou fazer com recheio doce. Receita a ser repetida sempre!
Ingredientes:
Massa:
1 tablete de fermento biológico fresco (15 g)
1 xícara de leite morno
3 xícaras de farinha de trigo
1/2 colher (chá) de azeite
1 colher (sopa) de manteiga
1 ovo
1 gema para pincelar

Recheio:
2 dentes de alho picados
1 cebola grande cortada em rodelas
2 colheres (sopa) de azeite
2 colheres (chá) de salsinha picada
1/2 xícara de azeitona picada
sal a gosto
1 xícara de queijo coalho ralado grosso

Dissolva o fermento no leite e reserve. Numa tigela, ponha a farinha. Faça um buraco no meio, junte o fermento, o azeite, a manteiga e o ovo. Com um batedor ou um garfo, misture bem.

Sove numa superfície polvilhada com farinha até não grudar mais nas mãos. Se for preciso, adicione mais farinha, mas de pouquinho. Cubra e deixe descansar por uma hora.
Frite o alho e a cebola no azeite até murchar. Retire do fogo e acrescente a salsa e as azeitonas. Tempere com sal.
Passada uma hora de descanso da massa, unte 2 formas de bolo inglês de 10 x 26 cm, aqueça o forno e divida a massa em duas porções. Abra até obter retângulos de mais ou menos 27 x 30 cm. Recheie com o refogado e cubra com o queijo. Enrole pelo lado mais comprido, como um rocambole, feche as pontas e coloque nas formas.

Pincele com a gema e asse até dourar, o que no meu caso durou exatamente 1 hora, em forno médio-baixo.

Fonte: Baseada numa receita de "Pratos Econômicos", edição especial da Claudia Cozinha.

quinta-feira, novembro 09, 2006

Suflê de Ervilha e Bacon


Fazia tempo que eu não fazia um suflê e essa receita me pareceu tão prática... No original era um suflê de abóbora mas ervilha com bacon era o que tinha em casa. As fotos não ficaram boas, mas tirar foto de suflê antes de murchar é complicado. Ficou bem suave mas um pouco salgado, talvez pelo queijo.

Ingredientes:
1 pacote (80g) de sopa-creme de ervilha com um toque de bacon (use a sopa-creme de sua preferência)
2 xícaras de leite
1 xícara (chá) de queijo prato (eu usei coalho) ralado
6 claras
1 colher (chá) de fermento em pó

Unte seis ramequins com manteiga e reserve.
Dissolva o conteúdo do pacote no leite. Leve ao fogo médio, mexendo, por 5 minutos ou até engrossar. Tire do fogo e deixe amornar.
Aqueça o forno a 180°. Misture o queijo com o creme de ervilha. Bata as claras em neve e junte o fermento. Misture ao creme de ervilha com uma espátula, delicadamente.
Distribua o suflê entre os ramequins. Asse por 25 minutos ou até dourar (o meu eu tirei com 30 minutos pois as bordas já estavam bem douradas).

Fonte: Revista Claudia Cozinha de junho de 2006.

Bolo de Cenoura



Toda quinta-feira reúno alguns amigos aqui em casa para ver um episódio de Lost e sempre faço um lanchinho pro pessoal. Hoje servi um bolinho de cenoura e depois um suflê. Bolinho no sentido de ser simples, porque graças à minha super-forma, meus bolinhos de buraco no meio ficam enormes. Essa receita é pra ser feita em processador, mas tendo um liquidificador bom, dá o mesmo efeito. Foi o melhor bolo de cenoura que eu já fiz.

Ingredientes:
Massa:
3 cenouras médias cortadas em pedaços pequenos
5 ovos
1 xícara de óleo (uso de girassol, mais saudável)
2 xícaras de açúcar
2 e 1/2 xícaras de farinha de trigo
1 pitada de sal
1 colher (sopa) de fermento em pó

Cobertura:
1/4 de xícara de manteiga
1/4 de xícara de leite
1/4 de xícara de chocolate em pó
1/4 de xícara de açúcar

Aqueça o forno em temperatura média. Unte a forma com manteiga e polvilhe com farinha de trigo. Reserve.
No processador, rale a cenoura no ralo fino. Se for fazer em liquidificador, é melhor ralar a cenoura antes em ralador manual. Retire a cenoura ralada e ponha a lâmina faca (ou de triturar). Junte a cenoura ralada e os ovos, o óleo e o açúcar e processe (ou liquidifique) até obter uma mistura cremosa.
Adicione a farinha, o sal e o fermento e processe até ficar homogêneo. Transfira para a forma e leve ao forno por 40 minutos ou até que, ao enfiar um palito no centro da massa, ele saia seco.
Retire do forno, deixe amornar e desenforme.

Cobertura: Misture os ingredientes numa panelinha em fogo baixo até engrossar. Essa cobertura é bem prática, aprendi quando fiz o Brownie da Dadivosa, que é um espetáculo.

Fonte: A massa eu tirei de "Receitas Práticas", fascículo da Claudia Cozinha e a cobertura foi da Dadivosa.

terça-feira, novembro 07, 2006

Torta de Maçã Verde


O ponto forte dessa receita é, sem dúvida, a massa. Acredito que qualquer torta com essa massa fique ótima, apesar de só ter feito com recheio de maçã. Hoje fiz essa receita pra agradar Ric e Gil, respectivamente, marido e amigo. Aquele por ser fascinado por maçã e este por ter me prometido a receita secreta dele de samossa (que eu irei postar aqui depois) e que, por sinal, ele acabou nem me dando, eu espero que por esquecimento. Não sei dizer como seria fazê-la sem processador, acredito que dá na mesma, é só um pouco mais de trabalho: chegar no ponto, ou seja, que ela fique homogênea, bem como fatiar as maçãs. A torta só não foi devorada de uma vez porque eu não sou muito fã de maçã, quanto mais da verde, mas garanto que é um espetáculo de cheiro e sabor, os meninos devoraram.

Ingredientes:
Massa:
2 e 1/2 xícaras (chá) de farinha de trigo
1/2 xícara (chá) de açúcar
1 colher (chá) de fermento em pó
150 g de manteiga em temperatura ambiente
6 colheres (sopa) de leite

Recheio:
4 maçãs verdes ou 5 maçãs vermelhas médias (750 g)
1 colher (sopa) de suco de limão
2 colheres (sopa) de uvas passas sem sementes
1 gema para pincelar
3 colheres (sopa) de açúcar com canela a gosto

Usando um processador, com um batedor de massas na jarra, coloque a farinha, o açúcar, o fermento, a manteiga e o leite. Tampe sem o pilão. Ligue utilizando a velocidade máxima até obter uma massa homogênea. Retire a massa da jarra e deixe na geladeira por 30 minutos envolta em plástico.
Descasque as maçãs, corte ao meio, retire as sementes e fatie utilizando a lâmina fatiar. Despeje em uma tigela e misture suco de limão.
Com 2/3 da massa, forre o fundo e a lateral de uma forma de aro removível (24 cm de diâmetro). Essa massa é muito amanteigada, sugiro na hora de abrir usar um pouco mais de farinha de trigo. Eu faço assim: abro uma parte em cima do próprio fundo da forma e depois faço bolinhas com a massa e, com os dedos, vou apertando pra preencher as laterais.
Espalhe as fatias de maçã e as uvas passas. Abra o restante da massa, corte em tiras finas e cubra a torta formando um xadrez. Pincele com gema e leve ao forno quente (180°) preaquecido, por cerca de 35 minutos. Polvilhe o açúcar com a canela e deixe esfriar.

Fonte: Receituário do manual de instruções do meu processador.

domingo, novembro 05, 2006

Pão de Fôrma

Essa receita é muito fácil e prática, vale a pena se tiver muita gente pra comer pois dá muito pão, e quentinho é bem melhor. Essa massa lembra à do Pão de Ervas postado no Rainhas do Lar, que uma vez testei, mas não deu muito certo pois usei fermento biológico seco.
Ingredientes:
3 ovos
1 xícara de óleo
4 xícaras de água fria
1/2 xícara de açúcar
4 tabletes (60 g) de fermento biológico fresco*
1 colher (sopa) de sal
1 kg de farinha peneirada

Bata todos os ingredientes no liquidificador, menos a farinha de trigo, por 5 minutos. Despeje numa tigela e aos poucos vá acrescentando a farinha de trigo, misturando bem. Ou o contrário: coloque a farinha na tigela, faça um buraco no meio e vá acrescentando a mistura aos poucos, mexendo com uma colher de pau (foi assim que fiz). Ficará com um aspecto grudento. A receita sugere duas formas de buraco no meio de 24 cm. Eu fiz com duas formas de pão de forma (ou bolo inglês) mais uma com buraco no meio (daria pra ter feito em 4 formas, porque cresceu muito e caiu massa no forno). Unte-as com manteiga e polvilhe com farinha de trigo. Divida a massa entre elas, deixando espaço para que cresça. Sugiro encher pela metade. Retire uma colherada da massa e despeje num copo d'água. Cubra as formas e deixe crescer. Quando a bolinha subir, leve para assar em forno brando (150°) por uns 30 minutos ou até dourar. Espete um palito, até sair limpo. Os meus pães ficaram bons em mais ou menos 35 minutos, mas ainda estavam brancos, então aumentei a potência do forno pra deixar dourar.

Fonte: Caderninho de receitas que tenho desde a infância.